CONMEBOL Libertadores 1998: Vasco elimina últimos três campeões em conquista inédita da América

Cruzmaltino superou rivais brasileiros Cruzeiro e Grêmio e o gigante River Plate para levantar o primeiro troféu

O Vasco foi campeão brasileiro de maneira incontestável em 1997, e o título garantiu ao clube vaga na CONMEBOL Libertadores do ano seguinte. A dúvida era como o técnico Antônio Lopes atuaria sem o atacante Edmundo, vendido à Fiorentina, da Itália.

O ataque se reinventou com as chegadas de Donizete e Luizão, e a dupla foi fundamental na conquista inédita da Glória Eterna em 1998.

Vasco Libertadores 1998

A Fase de Grupos veio com a classificação em segundo lugar, atrás do Grêmio. O time carioca superou América e Chivas Guadalajara, ambos do México. A vaga na segunda posição fez com que o Cruzeiro, atual campeão, fosse o rival logo de cara nos mata-matas.

Com São Januário como caldeirão, o Vasco venceu por 2 a 1 no Rio de Janeiro e segurou o empate sem gols no Mineirão para eliminar o então dono da América.

Nas quartas, mais um brasileiro pelo caminho, desta vez o Grêmio. Se na Fase de Grupos os gaúchos levaram a melhor, agora foi diferente. Empate no Sul por 1 a 1 e vitória vascaína pelo placar mínimo em casa.

Após superar os rivais nacionais campeões de 1997 e 1995, respectivamente, chegou a hora do encontro diante do River Plate, vitorioso em 1996.

Os argentinos tinham Gallardo e Sorín como destaques, mas perderam no Rio por 1 a 0. Na Argentina, Juninho Pernambucano acertou um golaço de falta para sacramentar o empate por 1 a 1 e a vaga na decisão. O gol do meia é o mais lembrado na caminhada até o título.

Com duas vitórias sobre o Barcelona, do Equador, o Vasco levantou o troféu da Libertadores pela primeira vez. Triunfo por 2 a 0 em São Januário e 2 a 1 em Guayaquil.

NÚMEROS DO CAMPEÃO

14 jogos
7 vitórias
5 empates
2 derrotas
17 gols pró
8 gols contra
Artilheiro: Luizão (7 gols)

FICHAS TÉCNICAS

Vasco 2-0 Barcelona-ECU

Data: 12/8/1998
Local: São Januário, Rio de Janeiro (BRA)
Libertadores: Final, ida
Árbitro: Gustavo Méndez (Uruguai)

Vasco: Carlos Germano, Vagner (Vítor), Mauro Galvão, Odvan, Felipe, Nasa, Luisinho, Pedrinho (Ramón), Juninho Pernambucano, Donizete, Luizão. Técnico: Antônio Lopes.

Barcelona-ECU: José Cevallos, Luis Gómez (Wagner Rivera), Jimmy Montanero, Holger Quiñones, Luis Capurro, Julio Rosero (Héctor Carabalí), Roberto Macías (Fricson George), Marcelo Morales, Washington Aires, Nicolas Asencio, Anthony de Avila. Técnico: Rubén Darío Insúa.

Gols: Donizete (7), Luizão (35').

Barcelona-ECU 1-2 Vasco

Data: 26/8/1998
Local: Monumental Isidro Romero Carbo, Guayaquil (ECU)
Libertadores: Final, volta
Árbitro: Javier Castrilli (Argentina)

Barcelona-ECU: José Cevallos, Jimmy Montanero, Raúl Noriega (Washington Aires), Holger Quiñonez, Luis Gómez, Marcelo Morales, Héctor Carabalí, Nicolas Asencio, Fricson George, Anthony de Avila, Agustín Delgado. Técnico: Rubén Darío Insúa.

Vasco: Carlos Germano, Vagner, Odvan, Mauro Galvão, Felipe, Nasa, Luisinho, Juninho Pernambucano, Pedrinho (Ramón), Donizete, Luizão (Alex). Técnico: Antônio Lopes.

Gols: Anthony de Avila (79'); Luizão (25’), Donizete (45’).

Fechar