Troca de técnico, golaços, artilheiro: um poderoso Libertad tem a melhor campanha da Copa Libertadores

Equipe paraguaia superou diversas barreiras para se consolidar como uma das forças da competição. Solidez defensiva, experiência e brilho no ataque são as marcas

Quando a Copa CONMEBOL Libertadores começou para o Libertad (PAR), a preocupação predominava no clube. Na fase prévia, seria preciso romper a altitude boliviana diante do The Strongest (BOL) e, depois, medir forças provavelmente contra o poderoso Atlético Nacional (COL), bicampeão da América. Ficar pelo caminho, embora não passasse pela cabeça de ninguém, não poderia ser tratado como vexame. 

Hoje, exatos dois meses da estreia do Libertad na Copa, o cenário é outro. Da indefinição do início, a equipe paraguaia se transformou na de melhor campanha da Fase de grupos. Não só deixou o Nacional de Medellín pelo caminho, como também bateu um tricampeão, o Grêmio, na Arena em Porto Alegre. São três jogos, três vitórias, sete gols marcados e apenas um sofrido. Com o 2 a 0 sobre o Rosario Central (ARG) nesta quinta, chegou a quatro vitórias seguidas em casa, sua maior série na Libertadores. Já é histórico!

A excelente campanha chama ainda mais atenção pelos percalços. Além dos grandes adversários, o Libertad precisou lidar com uma troca de comando. Logo após a estreia na Fase de grupos, com goleada por 4 a 1 sobre a Universidad Católica (CHI), o técnico Leonel Alvarez deixou o cargo. Foi substituído pelo argentino José Chamot, que construiu uma carreira sólida no futebol como lateral-esquerdo de três Copas do Mundo pela seleção argentina (1994, 98 e 02). 

Chamot

Com Chamot, a solidez paraguaia foi mantida. Na Arena do Grêmio, a equipe marcou com Bareiro e depois soube se defender com firmeza. Bem agrupado, e com uma gana de campeão, matou a estratégia gremista de Renato Portaluppi. Bravo!

O esquema bem definido com solidez defensiva não impediu momentos de magia na frente. A trajetória do Libertad é marcada por golaços e pelo artilheiro. Adrián Martinez já marcou seis gols. Ninguém fez mais do que ele na Copa. Um foi de voleio, nos três da goleada de 5 a 1 sobre o Strongest. Ali, o Libertad começava a dar sinais.

No mesmo dia, o experiente Óscar Cardozo, de 35 anos e o Mundial de 2010 no currículo, anotou do meio de campo. Pintura! Ele integra a lista dos jogadores do elenco com mais bagagem. O lateral Iván Piris, com passagem pelo São Paulo e futebol italiano, e o meia Macnelly Torres, de 34 anos, campeão da Copa pelo Atlético Nacional em 2016, são exemplos. 

Na quinta, contra o Rosario, foi a vez de Recaldo reforçar a máquina de gols bonitos do Libertad. Um chute forte, com a potência do clube paraguaio que pode garantir sua classificação ao mata-mata já na próxima rodada. Visita a Católica na próxima quarta-feira. O jogo será em Santiago. Não custa nada sonhar com a volta à capital chilena no fim do ano para a grande decisão. 

Fechar