Schelotto diz como quer o Boca: 'É um jogo em que se precisa arriscar'

Técnico do Boca Juniors deu entrevista nesta sexta-feira no centro de treinamento da Espanha, onde a equipe treinou de olho na grande final contra o River Plate

Guillermo Barros Schelotto entrou no salão Luis Aragonés, a sala de imprensa do prédio "Las Rozas", local de concentração da seleção da Espanha, sem meias palavras para falar da estratégia do Boca Juniors contra o River Plate na grande final da CONMEBOL Libertadores. O objetivo do treinador do Boca é claro. "Nesta partida, é preciso arriscar. Quando eu era jogador, não pensava no medo de perder. Sempre pensava em ser melhor do que o rival".

Schelotto, quatro vezes campeão da Libertadores como atleta pelo Boca, espera ter uma equipe ofensiva em campo neste domingo, no Santiago Bernabéu, em Madrid. "Não perdemos o espírito de atacar. Se mudamos nosso jogo, é porque perdemos Gago, que agora está voltando. Nossa equipe tem colocado mais agressividade sobre o adversário".

AFP entrenamiento Boca Madrid final Copa Libertadores 2018

"Nós sabemos que, se atacarmos, vamos fazer um gol. Se tem uma característica que o Boca tem tido é atacar e assim se faz o gol. Temos uma forma de jogar muito clara nos últimos três anos. Na final na Bombonera, pela lesão do Pavón, tivemos de mudar e gostei. As duas deram resultado. Jogaremos com uma delas, mas o único que sabe a equipe sou eu", completou.

O retorno de Pavón seguirá sendo mistério até domingo. Schelotto ainda falou sobre a realização do Superclássico em Madrid.

"Boca colocou o futebol argentino num posto muito alto. Tanto Boca como River são equipes com muita história na América do Sul e essa final é merecida", disse o treinador.

Boca e River empataram em 2 a 2 na primeira final, na Bombonera. Quem vencer no domingo leva o título. Em caso de empate, haverá prorrogação e, persistindo a igualdade, pênaltis.

Fechar