Santos: a ousadia e a tradição dos Meninos e Ídolos da Vila, tricampeões da Libertadores

De volta à Copa liderado pelo uruguaio e campeão Carlos Sánchez, Peixe defende rica história na busca pelo tetracampeonato da América

A pesada camisa do Santos Futebol Clube está de volta à CONMEBOL Libertadores 2020. Tricampeão da América, recorde entre os clubes brasileiros, o Peixe tem a tradição e a ousadia que contagia seu elenco em busca do tetra. É o primeiro brasileiro campeão, o primeiro bicampeão.

O Santos é o passado e o presente só de glórias, como diz trecho de seu hino. É Pelé, mas também Mengálvio, Pepe e Léo. É Pituca, Sánchez, Marinho. E quando esses períodos se unem, não tem como não sair coisa boa. 

A estreia do Santos na Libertadores será nesta terça-feira contra o Defensa y Justicia-ARG na Argentina. Mas passado e presente se uniram antes, para uma produção especial para os canais oficiais da Libertadores. 

Reunimos Mengálvio e Pepe, campões em 1962 e 63, e Léo, campeão em 2011, para se juntar ao elenco atual. Os ídolos foram espelhos para aqueles que almejam escrever seu capitulo na gloriosa história do Santos. 

Mengálvio, Pepe e Sánchez - especial Santos

Enquanto Pepe e Marinho posam para fotos juntos, unindo o passado e o presente em imagens épicas, Léo fala da emoção de ter participado do tri, enquanto Pituca relembra com admiração daquela conquista que eternizou outros craques.

"Quando fala de Santos vem a imagem de campeão. Time que marcou história, que tinha Neymar, que tinha Ganso, um ano maravilhoso de 2011", contou Pituca. 

O zagueiro Lucas Veríssimo vai em uma das essências do clube. Sonha com o tetra, mas não esquece o alicerce.

"É o clube dos Meninos da Vila. É onde revela, onde cria. A água daqui é de uma fonte muito boa", lembra.

O Santos, com o peso do passado, a força dos seus meninos e com a oportunidade do presente, quer construir um futuro ainda mais glorioso.

Grupo G da Libertadores

Fechar