Rogério Ceni: um bicampeão da CONMEBOL Libertadores com sede de tri no Flamengo

Ex-goleiro foi anunciado como treinador do Rubro-Negro. Ele conquistou a Copa duas vezes e registra recordes poderosos na competição em que vai estrear como comandante

Se o Flamengo e sua torcida são obcecados por conquistas, o mesmo pode se dizer de seu novo treinador. Anunciado nesta terça-feira (10) como substituto do espanhol Domènec Torrent, Rogério Ceni possui uma trajetória ligada ao sucesso, inclusive na CONMEBOL Libertadores

Com contrato até dezembro de 2021, Rogério terá a missão de guiar o Flamengo na defesa do título da Copa e atingir a terceira conquista, tanto do clube quanto sua. Como goleiro do São Paulo, o treinador conquistou duas vezes a competição mais importante da América, em 1993 e 2005.

Rogério já disse, mais de uma vez, que o título da Libertadores como titular do gol do São Paulo foi o mais emblemático de sua carreira como jogador. Suas palavras ao término da final contra o Atlético-PR em 2005 são definitivas. "Nunca mais vão tirar isso. Vai ter um quadro lá, nunca mais vai sair da história. Eu posso ir embora, posso morrer, posso sair daqui, a história vai ficar registrada para o resto da vida", afirmou ex-goleiro, que foi reserva na campanha de 1993.

Top 5 de vitórias dos jogadores na Libertadores

Famoso também por ser um goleiro que marcava gols, autor de 132, Rogério Ceni também registrou recordes poderosos na Libertadores. Após se aposentar em 2015, se mantém como o jogador que mais vitórias conquistou em toda a história da competição: 51. É o brasileiro que mais entrou em campo na Copa, com 90 partidas. Ao lado de Luis Fabiano, o ex-goleiro também possui o posto de maior artilheiro do tricampeão São Paulo na Copa, com 14 gols marcados. Supera, com folga, os 5 gols marcados pelo colombiano René Higuita, sendo também o arqueiro que mais vezes balançou redes. 

Goleiros-artilheiros da Libertadores

Agora pelo Flamengo, Rogério vai encarar o Racing-ARG nas oitavas de final em sua primeira participação como treinador na Libertadores. Este ano, pelo Fortaleza, ele comandou o clube na CONMEBOL Sul-Americana, sendo eliminado para o Independiente-ARG. 

A obsessão também é marca da forma como Rogério Ceni trabalha. Como treinador, ele repete a rotina da época em que era jogador, com horas e horas ligadas ao futebol. Iniciou sua trajetória no banco de reservas em 2017 no próprio São Paulo que o revelou para o mundo e manteve-se como o primeiro a chegar e último a sair do centro de treinamento, sempre mergulhado no futebol. 

No Fortaleza, a partir de 2018, iniciou o projeto mais vitorioso da história do clube da mesma forma. Passava noites em claro elaborando estratégias de jogo e pensando em formas de melhorar a estrutura do clube. Participou intensamente de reformas importantes no CT do Leão, interferiu até na alimentação dos jogadores e obteve sucesso. Venceu dois Estaduais, a Copa do Nordeste e o Campeonato Brasileiro da Série B, essas duas últimas conquistas inéditas na história do clube cearense. 

Frase Ceni - Flamengo

Nos últimos tempos, Rogério e sua comissão técnica, capitaneada pelo auxiliar francês Charles Hembert, passaram a se debruçar em formas de aperfeiçoar a bola parada. Por iniciativa própria, o grupo conseguiu vídeos de especialistas deste tipo de fundamento no futebol internacional. As estratégias vistas com exaustão nas imagens preparadas eram passadas aos jogadores antes e depois dos treinos. Como uma das consequências em resultados, a avaliação foi de que o Fortaleza passou a sofrer muito menos com a bola parada. Ceni deixou a equipe com a melhor defesa do Campeonato Brasileiro, com 14 gols sofridos em 18 jogos, média de menos de um gol por partida. 

O duelo contra o Racing, estreia de Rogério como técnico na Libertadores, está marcado para o dia 24/11. Neste dia, a obsessão pela Copa estará unida em vermelho e preto com apenas um só objetivo: o tri da América.

Fechar