Rafinha tatua a taça da Libertadores e exalta conquista do Flamengo: 'Glória Eterna'

CopaLibertadores.com acompanhou o lateral-direito rubro-negro eternizando o título na pele. Ele se emociona ao falar da competição

Na pele. Para sempre. O título da CONMEBOL Libertadores conquistado pelo Flamengo está eternizado no corpo de Rafinha. Amante de tatuagens, o lateral-direito rubro-negro gravou a taça da Libertadores no braço esquerdo como forma de celebrar o troféu erguido em 23 de novembro de 2019, após vencer a final da Copa por 2-1 contra o River Plate-ARG na final única de Lima, capital do Peru. 

Rafinha recebeu a reportagem de CopaLibertadores.com em sua casa para acompanhar o processo da realização da tatuagem. O lateral já tem na pele os troféus da Tríplice Coroa conquistada pelo Bayern de Munique-ALE: Bundesliga, Copa da Alemanha e Liga dos Campeões da Europa. Mas a Libertadores foi especial. 

"A Libertadores é muito grande, muito grande. Eu não tinha me dado conta do tamanho da Libertadores, que é a Liga dos Campeões aqui da América. As pessoas me param na rua. Outro dia, um senhor desceu do carro, estava com a esposa, filho, e se ajoelhou na minha frente. Agradeceu. É muito grande e por isso merece um lugar especial. É a Glória Eterna", contou Rafinha. 

O tatuador de Rafinha é também seu amigo. Tiago Frigi, morador de São José dos Campoes, em São Paulo, é o responsável por marcar na pele as conquistas do lateral. Eles se conheceram por intermédio do atacante Douglas Costa, ex-companheiro de Rafinha no Bayern. Depois de fazer uma tatuagem na Alemanha, o lateral não parou mais. Essa última, porém, por pouco não saiu. 

Tiago conta da emoção dos minutos finais da final em Lima. Como o Flamengo perdia o jogo até os 43 minutos do segundo tempo, ele achou que o trabalho teria de ser adiado.

"Temi mesmo, acho que não fosse sair. Mas eu torci, porque a gente acaba tendo uma amizade. E no fim deu tudo certo", afirmou o tatuador. 

Rafinha tatua a taça da Libertadores / Flamengo

A sessão para tatuar o místico troféu da Libertadores durou cerca de duas horas e aconteceu na residência do lateral-direito no Rio de Janeiro. Rafinha aproveitou e também gravou a taça do Campeonato Brasileiro, conquistado pelo Flamengo dias depois do título da Libertadores. O lateral também já tem no corpo o troféu do Mundial de Clubes da Fifa, conquistado pelo Bayern em 2013. Mas nada que impeça uma atualização, caso o Flamengo conquiste o tão sonhado título no Catar.

"Ai é só atualizar o ano, com o 2019".

Ano que ficará marcado para sempre no coração do torcedor do Flamengo e na pele de Rafinha. 

Fechar