Rafinha, o guerreiro de capacete, e o timaço do Flamengo dentro e fora de campo

Lateral fraturou a face dez dias antes da decisão, mas contou com a ajuda dos médicos e de Petr Cech para ajudar o Rubro-Negro a voltar à final da Libertadores

Fim de jogo no Maracanã, Flamengo 5-0 Grêmio. Flamengo de volta à final da CONMEBOL Libertadores após 38 anos. Os jogadores festejam. Abraçam-se. Uma cena em meio à celebração chama atenção. O lateral-direito Rafinha carrega nos braços um dos membros do departamento médico do clube. Mais do que parte da comemoração, o gesto representa muito da classificação rubro-negra e da excelente partida realizada por Rafinha. 

No último dia 13, Rafinha sofreu uma fratura no rosto na vitória de 2-0 sobre o Athletico Paranense na Arena da Baixada em partida válida pelo Campeonato Brasileiro. Pela proximidade da decisão, o problema fez o lateral pensar que não retornaria em tempo de estar em campo, como ele confessou depois da partida. "Quando estava na mesa de cirurgia, passam várias coisas na cabeça. Fiz a cirurgia não faz nem uma semana, complicado. No momento de decisão, ficar fora, não seria legal. Mas graças a Deus consegui me recuperar e estar em campo". 

A dedicação e disposição do lateral foram fundamentais, mas ele não teria conseguido sem o trabalho do corpo médico do Flamengo. Além de Rafinha, o lateral-esquerdo Filipe Luis e o meia De Arrascaeta tiveram lesões antes da partida contra o Grêmio, mas retornaram a tempo de jogar. E todos não pouparam elogios aos profissionais que cuidam da saúde dos jogadores. Trabalho de excelência!

Rafinha também contou com a ajuda do zagueiro David Luiz, um amigo no futebol. David foi responsável por providenciar o capacete com o qual o lateral-direito do Flamengo atuou contra o Grêmio. Falou com o ex-goleiro tcheco Petr Cech, que por anos atuou com o capacete e criou sua patente após encerrar a carreira. O objeto chegou a tempo e Rafinha o utilizou na histórica partida no Maracanã. Caiu tão bem que ele voou baixo. Um guerreiro!

Saudável, Rafinha colocou sua raça e talento à disposição do embalado time do Flamengo. Sua energia e fome de vencer representa o que de melhor há no grupo de Jorge Jesus. A final da Libertadores está logo ali. E o Fla vai com muita força, com um time dentro e fora das quatro linhas. 

Fechar