Paolo Guerrero, o artilheiro do Internacional: 'Um jogo de Libertadores faz a minha cabeça mudar'

Atacante do Inter, quarto maior goleador do Peru na história da Copa, busca título inédito aos 36 anos. "A Libertadores é diferente, a gente tira forças não sei de onde"

Ele é o quarto maior goleador peruano em 60 anos de CONMEBOL LIbertadores, com 17 gols. Após vestir as camisas de Corinthians e Flamengo na Copa, agora é a vez do Internacional contar com o faro artilheiro de Paolo Guerrero, que mostra um brilho especial nos olhos quando o assunto é o objetivo de conquistar o torneio, título que lhe falta, aos 36 anos de idade.

"Tenho um objetivo muito maior do que todos. Tomara que esse desejo, esse sonho meu, se cumpra", afirmou o atacante, ao receber a equipe do CopaLibertadores.com durante um ensaio exclusivo de fotos com os jogadores do Inter, em Porto Alegre, em março, logo após o Colorado classificar-se para a Fase de Grupos. O Inter busca o tricampeonato após dez anos da última conquista.

Guerrero, que marcou três gols entre as fases preliminares de 2020 e a largada do Grupo E, falou da sua meta para o ano, das chances do Inter na Libertadores, do trabalho de Eduardo Coudet, além de sua relação com os fãs peruanos e brasileiros. 

Qual é o peso da LIbertadores na carreira de um jogador?
A sensação de disputar a Libertadores é sempre com a maior expectativa. Tenho objetivos que são minha prioridade dentro da Libertadores. Um jogo de Copa Libertadores faz minha cabeça mudar quando entro em campo. Todas as vezes que disputei, sempre tentei fazer o meu melhor, porque sei que é uma competição importante dentro da América do Sul. Desta vez, não vai ser diferente. Tenho um objetivo muito maior do que todos. Tomara que esse desejo, esse sonho meu, se cumpra.

Como é ter o Gre-Nal pela primeira vez na Copa?
Jogos de Libertadores são especiais. São muito diferentes do que qualquer outro torneio. Ter esses jogos, esses clássicos dentro da competição que é a Libertadores nos faz esperar com ansiedade, tem de ter um foco maior.

Como avalia as chances de título do Inter?
É o desejo de todos os meus companheiros: ser campeão. Mas não só para a gente, mas sim para todos os times da América do Sul que disputam essa competição tão grande. É o desejo, é o objetivo maior de todo mundo. Para nós, também. É nosso maior objetivo hoje e para isso nós vamos lutar.

Qual é a sua avaliação do trabalho de Eduardo Coudet?
Eu gosto do sistema tático do professor “Chacho”, da agressividade, da intensidade que ele quer dentro do jogo, porque eu sou atacante, sou centroavante, e sempre quero fazer gol, então eu quero que a bola chegue em mim para eu poder ter chances ou criar minhas chances de gol. 

AFP Paolo Guerrero Libertadores 2020

O Inter não perde há 19 jogos de Libertadores no Beira-Rio. Como usar esse trunfo?
A Libertadores, para nós, é uma competição diferente. A gente tira forças não sei de onde. Motiva. Essa invencibilidade do Inter pode ser que seja importante, mas para nós o que importa é ganhar todos os jogos, porque temos metas, objetivos. E a Libertadores é o nosso maior objetivo.

Qual é sua relação com os torcedores peruanos?
O carinho que a torcida do Peru tem por mim é grande. Eu tento retribuir dentro de campo, com essa força, com esse foco, com esse desejo de ganhar, de ter fé, de não parar de lutar. Todas essas coisas eu tento retribuir dentro de campo. O pessoal acredita muito e isso me dá muita força. Eu fico agradecido pelo carinho que recebo dos meus compatriotas.

E o carinho dos brasileiros?
Eu sinto o respeito de todos os torcedores, de todos os clubes. Torcedores de outros clubes chegam até mim, e sempre falam coisas boas, que me motivam. Isso é lindo, receber esse carinho, de todos os torcedores.

Como vê o nível do futebol na América do Sul?
O futebol sul-americano vai variando muito, vai sendo mais intenso. Você vê todos os jogos da Libertadores, de todos os times, são diferentes do que se jogava antes. Antes era mais parado. É luta, é guerra dentro do campo. Vai mudando, vão chegando jogadores para todos os países, não só no Brasil, onde chegam muitos estrangeiros e tem um campeonato mais internacional, mais pegado, mais difícil, os melhores estão aqui. Isso vai nos fazer igualar aos campeonatos europeus.

Qual é a sensação de um gol no Beira-Rio?
Quando eu jogo no Beira-Rio, eu me empolgo, eu me motivo. É pela pegada do torcedor, como ele apoia, eu sinto uma vibração diferente. Quando você faz um gol, não sei como explicar. É inexplicável. É um momento que você só quer comemorar, sair e gritar para todo mundo. É lindo!

Paolo Guerrero - Internacional

Fechar