CONMEBOL Libertadores 1999: Nos pênaltis, Palmeiras é campeão pela primeira vez e consagra São Marcos

Em sua terceira final de Copa, Verdão superou o Deportivo Cali e viu nascer o goleiro ídolo, eleito o melhor jogador do torneio

Para o Palmeiras, 1999 se imortalizou como um período para celebrar nascimentos. O primeiro é a "obsessão" pela CONMEBOL Libertadores. Foi naquele ano que o Verdão, enfim, chegou à Glória Eterna pela primeira vez, vencendo o Deportivo Cali nos pênaltis, epílogo de uma campanha repleta de fortes emoções para os torcedores.

O Alviverde foi o primeiro time brasileiro a chegar a uma decisão de Libertadores, em 1961, mas não conseguiu evitar o bicampeonato do Peñarol. Em 1968, veio mais uma final, porém com nova derrota, agora para o Estudiantes.

O segundo nascimento é de um Santo. Até então goleiro reserva, Marcos assumiu a titularidade da posição na penúltima rodada da Fase de Grupos, após lesão de Velloso. Com atuações milagrosas e até pênalti defendido contra o maior rival, ele virou protagonista e acabou eleito o melhor jogador da competição - um feito inédito para um goleiro.

Com três vitórias, um empate e duas derrotas (dez pontos), o Verdão foi o segundo colocado do Grupo 3, que contava também com Corinthians, Cerro Porteño e Olimpia. Na estreia, no dia 27 de fevereiro de 1999, disputou o primeiro Dérbi com o rival alvinegro pela Libertadores e venceu por 1 a 0, com gol de Arce, no Morumbi.

O outro confronto com o Corinthians pelo grupo, derrota por 2 a 1, marcou a estreia de Marcos na Copa - o goleiro se tornaria o jogador que mais defendeu o Palmeiras na Libertadores, com 57 partidas

O Vasco, na época o atual campeão da Copa, foi o adversário nas oitavas de final: empate por 1 a 1 na ida, em São Paulo, e uma vitória de vidada por 4 a 2 em São Januário.

O Corinthians apareceu novamente no caminho do Palmeiras, agora nas quartas de final. Dois dérbis históricos, em que cada rival venceu um duelo por 2 a 0, levando a decisão da vaga para as penalidades. O Verdão converteu as suas cobranças, enquanto Dinei chutou na trave e Vampeta parou nas mãos de Marcos.

Na semifinal, a pedreira da vez foi o River Plate, que venceu o jogo de ida por 1 a 0, em Buenos Aires, mas com atuação destacada de Marcos, que evitou derrota mais larga.

Na volta, com o Palestra Italia lotado, Alex comandou a virada e, com dois gols, decretou o triunfo por 3 a 0 e carimbou a vaga na final para encarar o Deportivo Cali, que havia eliminado o Cerro Porteño.

Os colombianos fizeram valer o fator casa e saíram na frente vencendo a ida por 1 a 0. A volta, no Palestra Italia, foi de tirar o fôlego. Precisando da vitória, o Palmeiras foi para cima, mas abriu o placar apenas aos 65 minutos, com Evair, cobrando pênalti.

Mas mal deu tempo para comemorar... Júnior Baiano cometeu penalidade e Martín Zapata, aos 70, de pênalti, empatou. Oséas, aos 76, fez 2 a 1 e levou a disputa pelo título à decisão por pênaltis.

Marcos, o novo Santo alviverde, desta vez não defendeu cobranças, mas mostrou ter estrela. O Palmeiras abriu a série com Zinho, que mandou a bola no travessão. Júnior Baiano, Roque Júnior e Rogério converteram.

O Deportivo Cali comemorou com Dudamel, Gaviria e Yepes, mas Bedoya acertou a trave. Tudo igual. Euller marcou na quinta cobrança alviverde. Zapata, que marcara no tempo normal, foi para a batida com a missão de empatar de novo... mas chutou para fora! A América era do Palmeiras! Assista à final do Facebook Watch da Copa.

Palmeiras - Libertadores 1999

NÚMEROS DO CAMPEÃO

14 jogos
7 vitórias
2 empates
5 derrotas
24 gols pró
18 gols contra

FICHAS TÉCNICAS 

Deportivo Cali 1-0 Palmeiras

Data: 2/6/1999
Local: Pascual Guerrero, Cali (Colômbia)
Libertadores: Final, ida
Árbitro: Mario Sánchez (Chile)

Deportivo Cali: Rafael Dudamel, John Wilmar Pèrez, Andrés Mosquera, Mario Yepes, Gerardo Bedoya, Alexander Viveros, Martín Zapata, Mayer Candelo, Giovanni Córdoba, Victor Bonilla (Miguel Marrero), Carlos Castillo (Juan Emiliano Rey). Técnico: José Hernández.

Palmeiras: Marcos, Francisco Arce, Júnior Baiano, Roque Júnior, Júnior, César Sampaio, Rogério, Alex (Euller), Zinho (Galeano), Paulo Nunes, Oséas (Evair). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Gol: Victor Bonilla (42')

Palmeiras 2-1 Deportivo Cali

Data: 16/6/1999
Local: Palestra Italia, São Paulo (Brasil)
Libertadores: Final, volta
Árbitro: Ubaldo Aquino (Paraguai)

Palmeiras: Marcos, Francisco Arce (Evair), Júnior Baiano, Roque Júnior, Júnior, César Sampaio, Rogério, Alex (Euller), Zinho, Paulo Nunes, Oséas. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Deportivo Cali: Rafael Dudamel, John Wilmar Pèrez (Hernán Gaviria), Andrés Mosquera, Mario Yepes, Gerardo Bedoya, Arley Betancourt, Martín Zapata, Giovanni Córdoba (Manuel Valencia), Mayer Candelo (Freddy Hurtado), Alexander Viveros, Victor Bonilla. Técnico: José Hernández.

Gols: Evair (65', pênalti), Oséas (76'); Martín Zapata (70', pênalti).

Nos pênaltis (4-3): Pelo Palmeiras - Zinho (errou), Júnior Baiano, Roque Júnior, Rogério e Euller. Pelo Deportivo Cali: Rafael Dudamel, Hernán Gaviria, Mario Yepes, Gerardo Bedoya (errou) e Martín Zapata (errou).

Fechar