O sonho do matemático Kannemann inspira o Grêmio a seguir Imortal na CONMEBOL Libertadores

Em entrevista exclusiva, zagueiro símbolo da força gremista fala de sua obsessão em se tornar profissional e como quase trocou de profissão. Nesta quarta, uma nova 'final' na Copa

Walter Kannemann é uma das armas do Grêmio para superar a Universidad Católica (CHI) e se classificar para as oitavas de final da Copa CONMEBOL Libertadores . Mas o zagueiro argentino de 28 anos poderia estar hoje numa sala de aula lecionando matemática ao invés de proteger com sua raça o gol tricolor. 

Assim como a maioria dos jogadores, Walter sempre sonhou em ser profissional. Não precisaria ir muito longe, mas queria sentir o gostinho de disputar uma partida com torcida. "Sempre lembro de quando era criança e tinha um sonho de jogar na primeira divisão de um clube. Eu sempre pensava: eu quero jogar pelo menos um jogo dentro desse campo com torcida. Esse era meu sonho. Pelo menos um jogo. Custou, mas consegui. Até pensei em trocar de trabalho e carreira. A verdade é que hoje olho para trás e fico muito feliz por ter conseguido alcançar o sonho que é jogar. Então, cada vez que entro em campo trato de curtir ao máximo, dar ao máximo para curtir. Porque na verdade lutei muito para chegar onde estou", conta o defensor, em entrevista exclusiva ao Copalibertadores.com.

A profissão que Kannemann cogitou quando achava que seu sonho de ser jogador não daria mais certo era com a formação em matemática. Ao contrário de boa parte dos jogadores, que fugiam da escola para poder jogar bola, o argentino foi um aluno extremamente dedicado. Seus pais contam que as notas eram sempre boas e havia até preocupação porque ele não trazia lição para casa. Daí vem um exemplo preciso da personalidade do jogador, sua dedicação que encanta os gremistas e talvez a chave para ele ter realizado o sonho de jogar. "Eu simplesmente fazia a lição na escola para ter tempo, não levar para casa. Porque eu sabia que se levasse para casa, teria de fazer à noite, não iria dormir muito, e não conseguiria jogar. Na verdade, eu só queria jogar também (risos)". 

A aplicação do garoto se manteve quando ele realizou o sonho de jogar profissional pelo San Lorenzo (ARG), seu clube formador. Ele só não esperava tanto. Para quem queria apenas jogar um jogo, Kannemann foi longe demais: em 2014, conquistou a primeira Libertadores dele e do clube. Em 2017, ganhou a segunda, a terceira do Grêmio. Isso o coloca como o único que estará em campo hoje a ter duas taças, já que Diego Tardelli está fora e o técnico Renato Portaluppi, no banco. "A Libertadores é um campeonato muito bonito, muito lindo. Conquistar uma já é um sonho, e conquistar duas é incrível! Incrível! O jogador fica muito feliz por ter esse sucesso, mas há de continuar, sempre brigar para conseguir mais títulos. Não é fácil, mas tem de sempre dar ao máximo e deixar tudo em campo", afirma Kannemann. 

Foram tantas conquistas desde que chegou ao Grêmio em 2016, que o matemático Kannemann até se enrola na hora de fazer as contas. "Foram muitos, né (risos)? Teve a Libertadores, a Copa do Brasil, Gaúcho...". Na verdade, foram seis: Copa do Brasil (2016), Libertadores (2017), Recopa Sul-Americana (2018), Gaúcho (2018-2019) e Recopa Gaúcha (2019). 

O número impressionante de taças não tira a vontade do zagueiro de seguir conquistando e o sonho de uma terceira taça da Libertadores segue vivo. Para isso, no entanto, o Grêmio precisa superar a Católica na Arena. Agora, não é mais um jogo de profissional como tanto queria o menino Walter, é uma final e o clube gaúcho joga pelo empate para seguir como Imortal e em busca do tetra: "A expectativa do torcedor é a máxima. Sabe que nas duas últimas Libertadores tivemos ótimo desempenho, campeão e semifinal. E sabemos que temos uma final. Não está nada assegurado ainda, temos de ganhar o jogo ou empatar, se minha matemática não erra. Mas estamos conscientes de que o jogo será muito difícil e temos de dar o melhor para se classificar", definiu o matemático e ídolo tricolor.

Situação do Grupo H - Libertadores

 

Fechar