O que fez a diferença na campanha dos quatro últimos classificados à fase de grupos da Copa CONMEBOL Libertadores

Único brasileiro a sobreviver à fase preliminar, o Atlético-MG teve em seu camisa 10, o equatoriano Cazares, um dos pontos de desequilíbrio para seguir na competição

Dezenove participantes, 30 partidas disputadas e 68 gols marcados. Ao fim das preliminares da Copa CONMEBOL Libertadores, concluídas nesta semana, quatro equipes asseguraram vagas na fase de grupos, com início na próxima terça-feira (5).

Para Atlético-MG, Libertad, Melgar e Palestino, a 60ª edição do torneio começou mais cedo, e alguns fatores foram determinantes para que superassem uma acirrada concorrência. Conheça abaixo o que fez a diferença para os quatro classificados cumprissem os seus objetivos iniciais na Copa:


GALO: O FATOR CAZARES


Cazares Atlético-MG Danubio Copa Libertadores 12022019

O Atlético-MG chegou até a vaga no Grupo E da Libertadores como o ataque mais positivo (empatado com Defensor e Libertad), tendo um dos artilheiros da Copa: Ricardo Oliveira, com quatro, e graças à eficiência no jogo aéreo - quatro dos sete gols marcados foram de cabeça. 

Mas a engrenagem essencial para esse mecanismo funcionar esteve nos pés do equatoriano Juan Cazares. O camisa 10 do Galo é um dos líderes em assistências da Copa (três), foi o jogador com mais chances ofensivas criadas (20) e o segundo com mais finalizações tentadas (15, três a menos que Ricardo Oliveira). Ele anotou um gol, na Fase 3, na vitória fora de casa por 2 a 0 sobre o Defensor.


LIBERTAD: MARCAÇÃO CHATA


AFP Antonio Bareiro Libertad

Não dá para menosprezar os números ofensivos do Libertad nesta Libertadores: sete gols marcados, quatro deles com Adrián Martínez. Mas uma característica marcante do time paraguaio, que agora compõe o Grupo H, é o sistema de marcação, e como ele é importante também para atacar o adversário.

O Libertad optou por uma postura mais comedida, posicionado do meio-campo para trás, mesmo nos jogos em casa. Em certos momentos, a linha defensiva se adianta e fica mais agressiva para forçar o erro rival. Se o gol sai, o time volta a recuar, mas forçando contra-ataques. Um reflexo dessa tática é o meia-atacante Antonio Bareiro, o melhor da Libertadores em recuperações de bola (21) e disputas de bola vencidas (34).


MELGAR: A COLETIVIDADE


AFP MELGAR

Novo integrante do Grupo F, o Melgar é uma equipe com poucos destaques individuais. Até por isso, demonstra um potencial coletivo que fez a diferença na fase preliminar. Os peruanos, basicamente, tentam cuidar bem da bola quando a têm. A equipe é a quarta com melhor aproveitamento nos passes (1.136 certos), com média de 52,33% de posse de bola em quatro jogos.


PALESTINO: PERIGO NA ÁREA


Luis Jimenez Palestino

Seja contra Independiente Medellín ou Talleres, o Palestino conviveu com a impressão de ser "azarão". Mas os chilenos avançaram ao Grupo A com um estilo de jogo combativo, de forte marcação - foi a equipe que mais cometeu faltas na fase preliminar, com 85. No ataque, um padrão: todos os seis gols da equipe foram marcados dentro da área. 


FASE DE GRUPOS


Confira os jogos da primeira rodada da Copa CONMEBOL Libertadores:

Libertadores 2019 Fase de Grupos Rodada 1A

Libertadores 2019 Fase de Grupos Rodada 1B

 

Fechar