Menos posse, mais chances e mais gols! Palmeiras bateu o Grêmio do jeito que mostram os números da Copa

Dono do melhor ataque e da melhor defesa da Libertadores, time de Felipão mais uma vez não precisou da bola para ser eficiente e, ainda assim, criar mais perigo

Os números muitas vezes são frios. Nem sempre estatísticas, se jogadas fora de um contexto, fazem sentido. Mas o primeiro embate entre Grêmio e Palmeiras traduziu friamente o que os números da CONMEBOL Libertadores apresentavam. Não foi difícil prever como seria o jogo e, obviamente, não estamos falando falando do placar, este sempre imprevisível num duelo de gigantes por mata-mata de Copa.

Falamos de comportamento. O Grêmio foi a campo sendo um dos times com maior índice de posse de bola entre os classificados (57,8%, só abaixo de Flamengo e River, o líder com 61,7%). Já o Palmeiras, com 46,8%, só perdia da LDU no quesito.

Até o mais desinformado torcedor apostaria num Grêmio com a bola contra um Palmeiras bem postado na defesa à espera das chances. Foi o que se viu desde o início, com superioridade gremista diante de um rival errando passes como nunca no primeiro tempo (acertou 62,1%, seu pior rendimento em uma primeira etapa nesta Copa).

Ao fim do jogo, o Grêmio aumentou sua média de posse e o Palmeiras a baixou na competição. A bola esteve com os gaúchos em 71% do tempo. Mas isso, no fim das contas, não significou superioridade como o começo do duelo indicava.

O Palmeiras tem o melhor ataque da Libertadores, agora com 20 gols. Tem o artilheiro, Scarpa, agora com 6 depois do incrível golaço de falta que colocou os paulistas na frente na primeira etapa. É o time que mais finaliza, o time que mais cria chances, apesar de trocar poucos passes e da baixa posse. É vertical, eficiente.

Pois as melhores chances de gol foram dos visitastes. A melhor defesa foi de Paulo Victor, numa cabeçada de Dudu no início da segunda etapa. O camisa 7 ainda acertou a trave. O Palmeiras esteve mais próximo do 2-0 do que o Grêmio do 1-1, apesar da disparidade no que diz respeito a quem fica com “la pelota”.

É também porque o Palmeiras tem a melhor defesa da competição. Foi vazado apenas três vezes. Passou 7 das 9 partidas com o gol de Weverton intacto. Numa noite em que a linha defensiva foi perfeita (que jogo de Luan!), ficou difícil para o ótimo Grêmio criar. Marcos Rocha, um leão no setor em que cai o excelente Éverton, fez 10 desarmes, maior número de um atleta palmeirense nas últimas 7 Libertadores. Nem a expulsão de Felipe Melo, melhor jogador do time em 2019, abriu espaços.

O Palmeiras venceu o primeiro tempo do mata-mata. Tem a vantagem, mas num confronto que segue muito aberto pela qualidade de seus protagonistas. Vem mais emoção no Pacaembu, estádio historicamente inóspito para os gremistas contra os palmeirenses.

Fechar