Gabigol, o primeiro dos heróis rubro-negros em histórica classificação

Atacante do Flamengo fez os gols que deram o triunfo no tempo normal, e a consequente classificação sobre o Emelec nos pênaltis

Por Ricardo Taves

Centroavante tem que fazer gol. Essa é uma das máximas mais antigas do futebol, que persegue os camisas 9 desde os campinhos do bairro, quando ainda crianças sonham em marcar no Maracanã lotado. Uns fazem jus ao ofício, outros viram “falso 9” e os demais sucumbem. Gabriel Barbosa não se encaixa em nenhum dos perfis acima. Em seu caso é uma questão de personalidade, ele e gol se conheceram muito cedo e num fenômeno que não nos cabe explicar se fundiram e formam uma coisa só: prazer, Gabigol.

Braços acima demonstrando força, cabeça balançando em sentido positivo com a “marra” carioca exalando. A Nação Rubro-Negra não cansa de ver tal movimento – foram 22 vezes em 33 jogos, 4 na CONMEBOL Libertadores. Gabigol decide, é efetivo como poucos contemporâneos da área. Não seria diferente dessa vez.

Uma chance perdida logo no início do jogo – acontece com os melhores. Pouco depois, Rafinha sofre pênalti e o artilheiro chama a responsa. Canhota na bola, canto esquerdo, Flamengo na frente.

Pouco depois, Bruno Henrique, o grande parceiro desde a chegada de ambos ao clube, rouba a bola, arranca, entra na área e espera a entrada de Everton Ribeiro. Tudo aponta para o gol do camisa 7. Mas nove que é nove acompanha, está pronto para decidir a qualquer momento. Dito e feito: canhota com muita categoria e 2-0 no placar antes dos 20 minutos do primeiro tempo. Eliminatória igual, emocional em vantagem.

Nem todo herói veste capa. Todos têm um ponto fraco, algo que os faz sucumbir. Na mágica noite rubro-negra, que ainda consagraria outros salvadores, incluindo os improváveis, a coxa esquerda tirou Gabigol de combate.

O Flamengo seguiu e venceu a batalha nos pênaltis. Agora encara o Internacional em um histórico duelo brasileiro nas quartas de final. A receita para vencer? Começa com o básico do futebol: centroavante tem que fazer gol.

Fechar