A história se repete! Gabigol iguala feitos de Zico e sai da CONMEBOL Libertadores como campeão e artilheiro

Novo ídolo rubro-negro, atacante marca dois gols na final e termina a Copa como artilheiro. Como fez o Galinho em 23 de novembro de 1981

Apegar-se a coincidências é algo natural entre torcedores em tempos de decisão de título. Os flamenguistas usaram a superstição sem moderação nesta CONMEBOL Libertadores, afinal a decisão do título, contra o River Plate, seria em 23 de novembro, a mesma data mágica de 1981, único ano em que havia levantado a Copa. Não pode ser coincidência.

Mas o melhor das coincidências é quando elas se tornam reais. Exatos 38 anos depois, o Flamengo conquistou a América de novo. Um sonho que já estava se esvaindo - o River vencia por 1 a 0 até os 88 minutos -, mas renasceu e se concretizou a poucos segundos do apito final. Graças a Gabriel Barbosa, o Gabigol, que marcou duas vezes e cravou a virada do campeão.

Aos 23 anos, e no Flamengo desde o início de 2019, Gabigol criou empatia imediata com os rubro-negros, com muita personalidade. E gols, claro. Já são 40 nesta temporada, nove deles na Libertadores, artilheiro do torneio.

Na outra final que disputou, em 1981, aquela outra de 23 de novembro, o Fla bateu o Cobreloa por 2 a 0, em Montevidéu. Com dois gols de Zico. Naquele ano, o artilheiro do torneio foi... Zico.

A Glória Eterna coloca Gabriel em outro patamar na história do clube. Obviamente ele não é Zico, como jogador e ídolo dos rubro-negros. Mas ser decisivo em uma final de Libertadores é privilégio para poucos, e bons. Não pode ser coincidência.

AFP Gabigol Flamengo Final Libertadores

Fechar