Febre no Brasil: 'Riquelmes' da Copinha tentam imitar gol de Riquelme

Uma geração começa a aparecer no futebol com nome inspirado no ex-camisa 10 do Boca Juniors. A magia da Libertadores para os gramados do Brasil

Riquelme, Rikelmi, Riquelmo... Vinte anos depois, os feitos de Juan Román Riquelme em campo começam a ganhar outros corpos, histórias e vidas no futebol. O sucesso do craque argentino no futebol sul-americano forjou uma geração que começa a aparecer pelos gramados do Brasil. Em 2020, um time inteiro de "Riquelmes" disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior, a Copinha, maior torneio de base do país. 

As histórias se confundem. Em geral, o pai se encantou com o futebol do ex-camisa 10 do Boca Juniors na CONMEBOL Libertadores e resolveu batizar o filho pouco depois. São garotos nascidos na maioria em 2001, 2002 e que agora surgem no cenário nacional. Riquelme passou a ter maior relevância no futebol sul-americano em 2000, quando conduziu o Boca ao terceiro título da Libertadores. Ganhou do Palmeiras, repetindo a dose na semifinal do ano passado. Pronto, a febre estava formada. 

"Meu pai é corintiano, e colocou meu nome por causa do jogo que ele (Riquelme) fez contra o Palmeiras, que ele acabou com o time do Palmeiras na Libertadores", conta Rikelmi Valentim dos Santos, de 18 anos, atacante do Juventus da Móoca, tradicional equipe de São Paulo. 

Atualmente, Riquelme é vice-presidente do Boca e atua fora dos campos para que o clube retome o caminho das conquistas de sua época como jogador. Em 2007, ele voltou a ser destaque fazendo gol na final da Libertadores contra o Grêmio e levando o Boca à sexta e última conquista do torneio sul-americano. 

Aquele golaço no Olímpico não sai da memória do torcedor do Boca. Mas será que os Riquelmes brasileiros conseguem imitar? Fizemos esse desafio, que você confere no vídeo abaixo com a história de três meninos que tiveram o nome inspirado no craque argentino. 

Fechar