CONMEBOL Libertadores 1968: Estudiantes é campeão e impõe novo revés ao Palmeiras em finais

Argentinos levantam a Copa pela primeira vez, enquanto Verdão repete frustração por título que sentiu em 1961

O Estudiantes conquistou o primeiro de seus quatro títulos de CONMEBOL Libertadores na edição de 1968, quando superou o Palmeiras após decisão por três jogos.

A campanha do time de La Plata começou no Grupo A da Primeira Fase, composto também por Independiente, Deportivo Cali e Millonarios, classificando-se em primeiro lugar, com 11 pontos em seis partidas.

Na Segunda Fase, também no Grupo A, o Estudiantes encarou Independiente e Universitario e avançou como líder, com seis pontos em quatro jogos.

Nas semifinais, clássico argentino com o Racing, que venceu o jogo de ida por 2 a 0, em Avellaneda. O Estudiantes reagiu na volta, batendo o rival por 3 a 0, em La Plata, o que forçou a realização de uma partida extra em campo neutro.

No Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, o empate por 1 a 1 colocou o Estudiantes na final da Libertadores pelo placar agregado (4 a 3). O adversário na decisão seria o Palmeiras, que despachou o Peñarol com duas vitórias (1 a 0 e 2 a 1).

A edição de 1968 coroaria um campeão inédito, mas decidir o torneio não era uma novidade para o Palmeiras, finalista em 1961, mas batido pelo Peñarol na busca pela Glória Eterna. O Estudiantes venceu o jogo de ida por 2 a 1, em La Plata, mas o Verdão deu o troco no Pacaembu, por 3 a 1.

No dia 16 de maio de 1968, Estudiantes e Palmeiras entraram em campo no Estádio Centenário, em Montevidéu, para o jogo de desempate da decisão. Com gols de Felipe Ribaudo e Juan Ramón Verón, os argentinos venceram por 2 a 0 para conquistar o inédito troféu da Libertadores.

Juan Ramón Verón

NÚMEROS DO CAMPEÃO

16 jogos
11 vitórias
2 empates
3 derrotas
25 gols pró
12 gols contra
Artilheiro: Juan Ramón Verón (9 gols)

FICHAS TÉCNICAS 

Estudiantes 2-1 Palmeiras

Data: 2/5/1968
Local: Estudiantes LP, La Plata (Argentina)
Libertadores: Final, ida
Árbitro: Esteban Marino (Uruguai)

Estudiantes: Alberto Poletti, Hugo Spadaro, Oscar Malbernat, Rodolfo Fucenecco, Carlos Pachamé, Raúl Madero, Felipe Ribaudo (Fernando Lavezzi), Carlos Bilardo, Marcos Conigliaro, Eduardo Flores, Juan Ramón Verón. Técnico: Osvaldo Zubeldía.

Palmeiras: Valdir, Geraldo Escalera, Baldochi, Osmar, Ferrari, Dudu, Suíngue, Ademir da Guia, Servílio, Tupãzinho, Rinaldo. Técnico: Alfredo González.

Gols: Juan Ramón Verón (83'), Eduardo Flores (88'); Servílio (6').

Palmeiras 3-1 Estudiantes

Data: 7/5/1968
Local: Pacaembu, São Paulo (Brasil)
Libertadores: Final, volta
Árbitro: Domingo Massaro (Chile)

Palmeiras: Valdir (José Miguel Pèrez), Geraldo Escalera, Baldochi, Osmar, Ferrari, Dudu, Suíngue, Ademir da Guia, Servílio (China), Tupãzinho, Rinaldo. Técnico: Alfredo González.

Estudiantes: Alberto Poletti, Hugo Spadaro, Oscar Malbernat, Rodolfo Fucenecco, Carlos Pachamé, Raúl Madero, Fernando Lavezzi, Carlos Bilardo, Marcos Conigliaro, Eduardo Flores (Néstor Togneri), Juan Ramón Verón. Técnico: Osvaldo Zubeldía.

Gols: Tupãzinho (6' e 43'), Rinaldo (78', pênalti); Juan Ramón Verón (36').

Estudiantes 2-0 Palmeiras

Data: 16/5/1968
Local: Centenário, Montevidéu (Uruguai)
Libertadores: Final, desempate
Árbitro: César Orozco (Peru)

Estudiantes: Alberto Poletti, Ramón Aguirre Suárez, Oscar Malbernat, José Medina, Carlos Pachamé, Raúl Madero, Felipe Ribaudo, Carlos Bilardo, Marcos Conigliaro, Eduardo Flores, Juan Ramón Verón. Técnico: Osvaldo Zubeldía.

Palmeiras: Valdir, Geraldo Escalera, Baldochi, Osmar, Ferrari, Dudu, Suíngue, Ademir da Guia, Servílio (China), Tupãzinho, Rinaldo. Técnico: Alfredo González.

Gols: Felipe Ribaudo (13'), Juan Ramón Verón (82').

Fechar