De virada, Vasco derrota Cerro Porteño e vence a CONMEBOL Libertadores de Futebol de Praia pela terceira vez

Em decisão muito disputada, cariocas venceram por 7 a 5 em Luque, no Paraguai

Podem todos cantar de coração. O Vasco da Gama mostrou força na tarde deste sábado (21), no Parque Olímpico do Paraguai, em Assunção, e retomou o título de campeão da CONMEBOL Libertadores de Futebol de Praia. Mesmo na casa do Cerro Porteño e desfalcado do seu camisa 10, Benjamin Júnior, suspenso, o time carioca conseguiu a virada sobre os paraguaios para chegar à terceira conquista no torneio com o placar de 7 a 5.

Campeão das edições de 2016 e 2017, o Vasco havia perdido no ano passado para o Vitória, no Rio de Janeiro, e foi ao Paraguai com uma equipe mais jovem do que o costume para sair vencedor. O trabalho, finalizado com o triunfo deste fim de semana, termina com cinco vitórias e um empate, sem deixar dúvidas sobre quem era o melhor time na disputa.

A conquista do Vasco ainda mantém o Brasil como único país a celebrar o título em toda a história. Vice no ano passado, o Cruz-Maltino havia sido derrotado pelo Vitória, décimo colocado neste ano. Cesinha, goleiro e presente em todos os títulos, foi o responsável por levantar a taça.

Contando com alguns torcedores em meio a centenas de cerristas, o Vasco viu o clima ficar quente no estádio com um 2 a 0 rápido dos paraguaios, alcançados por meio de uma linda bicicleta de Carballo. Calmos, porém, os brasileiros aproveitaram dois tiros livres convertidos por Antônio e Jordan para voltar ao jogo.

No segundo tempo, Luis Henrique colocou a equipe na frente, mas sofreu o empate na sequência. O Cerro virou em jogada rápida de escanteio, mas Antônio empatou. Carballo recolocou o time paraguaio na frente, mas foi quem iniciou a reação carioca: já amarelado, colocou a mão na bola e foi expulso. Com um a mais, Jordan deixou tudo igual para o último período.

Na etapa final, dominante, o Vasco não deu muitas chances ao adversário. Luis Henrique e Hulk aproveitaram duas boas jogadas criadas e deram ao time o conforto de dois gols de diferença. Sem seu melhor jogador, o Cerro não conseguiu mais reagir e só pôde aplaudir o campeão.

Fechar