CONMEBOL Libertadores 1976: Com goleadas, Cruzeiro conquista a América pela primeira vez

Time mineiro chegou à inédita Glória Eterna com média de 3,5 gols por jogo e pinta o continente de azul

A estreia com vitória por 5 a 4 diante do Internacional deu uma amostra de como o Cruzeiro chegava para a CONMEBOL Libertadores de 1976. Foram 46 gols marcados em 13 partidas, média de 3,5 por jogo.

Apenas na Primeira Fase foram 20 gols, com cinco vitórias e um empate na campanha contra Inter, Olimpia e Sportivo Luqueño, os dois últimos do Paraguai. A liderança do grupo e a vaga na chave semifinal foram obtidas sem surpresas.

A alta média de eficiência ofensiva se manteve na fase seguinte, contra LDU , do Equador, e Alianza Lima , do Peru. Quatro vitórias, 100% de aproveitamento e mais 18 gols na conta dos mineiros, incluindo um 7 a 0 sobre os peruanos, no Mineirão.

No outro grupo semifinal a disputa foi mais intensa, uma vez que o Independiente, atual campeão, teve ao seu lado Peñarol e River Plate .

O River empatou com o Rey de Copas no número de pontos e avançou à final graças ao saldo de gols.

Arte Cruzeiro Libertadores 1976

Cruzeiro e River se encontraram por um título inédito. O primeiro jogo, em Belo Horizonte, manteve a tônica da campanha celeste. Os 4 a 1 mostraram que a conquista estava próxima, mas em Buenos Aires os donos da casa levaram a melhor. Com Jairzinho expulso, a Raposa perdeu por 2 a 1, no único revés da campanha.

Como previa o regulamento, o confronto de desempate ocorreu em campo neutro. No Estádio Nacional, em Santiago, o Cruzeiro abriu dois gols de vantagem com Nelinho e Ronaldo, porém o River Plate empatou com Más e Uquiza.

Na etapa final, Joãozinho surpreendeu o goleiro Landaburu ao cobrar falta quando todos esperavam por Nelinho na batida e a conquista inédita chegou. A Raposa faturava o terceiro título da Libertadores para o Brasil e repetia o feito que apenas o Santos havia conseguido.

NÚMEROS DO CAMPEÃO

13 jogos
11 vitórias
1 empate
1 derrota
46 gols pró
17 gols contra
Artilheiro: Palhinha (13 gols)

FICHAS TÉCNICAS

Cruzeiro 4-1 River Plate

Data: 21/7/1976
Local: Mineirão, Belo Horizonte (Brasil)
Libertadores: Final, ida
Árbitro: Vicente Llobregat (Venezuela)
 
Cruzeiro: Raúl Plasmann, Nelinho, Morais, Darci Menezes, Vanderlei, Piazza (Valdo), Zé Carlos (Ronaldo Drumond), Eduardo, Jairzinho, Palhinha, Joãozinho. Técnico: Zezé Moreira.
 
River Plate:  Ubaldo Fillol (Luis Landaburu), Pablo Comelles, Roberto Perfumo, Daniel Lonardi, Héctor López, Juan José López, Reinaldo Merlo, Alejandro Sabella, Pedro Alexis González, Leopoldo Luque, Oscar Más. Técnico: Angel Labruna.
 
Gols: Nelinho (22’), Palhinha (29’), Palhinha (40’), Valdo (80’); Más (63’).
 
River Plate 2-1 Cruzeiro

Data: 28/7/1976
Local: Monumental de Nuñez, Buenos Aires (Argentina)
Libertadores: Final, volta
Árbitro: Martínez Bazán (Uruguai)
 
River Plate:  Luis Landaburu, Pablo Comelles, Roberto Perfumo, Daniel Passarella, Héctor López (Héctor Artico), Juan José López, Reinaldo Merlo, Norberto Alonso, Pedro Alexis González, Leopoldo Luque, Oscar Más (Alejandro Sabella). Técnico: Angel Labruna.
 
Cruzeiro: Raúl Plasmann, Nelinho, Morais, Darci Menezes, Vanderlei, Piazza, Zé Carlos, Eduardo (Ronaldo Drumond), Jairzinho, Palhinha, Joãozinho. Técnico: Zezé Moreira.
 
Gols: Juan José López (10’), Pedro Alexis González (76’); Palhinha (48’). 
 
Cruzeiro 3-2 River Plate

Data: 30/7/1976
Local: Estádio Nacional, Santiago (Chile)
Libertadores: Final, desempate
Árbitro: Alberto Martínez (Chile)
 
Cruzeiro: Raúl Plasmann; Nelinho, Morais, Darci Menezes, Vanderlei, Piazza (Osiris), Zé Carlos, Eduardo, Ronaldo Drumond, Palhinha, Joãozinho. Técnico: Zezé Moreira.
 
River Plate:  Luis Landaburu; Pablo Comelles, Daniel Lonardi, Héctor Artico, Alberto Urquiza, Alejandro Sabella, Reinaldo Merlo, Norberto Alonso, Pedro Alexis González, Leopoldo Luque, Oscar Más (Daniel Crespo). Técnico: Angel Labruna.
 
Gols: Nelinho (24’), Ronaldo (55’), Joãozinho (88’); Oscar Más (59’), Alberto Urquiza (64’).

Fechar