#CraqueDoJogo, Rafael Sobis deixa claro: não se pode duvidar dele na CONMEBOL Libertadores

Atacante teve noite brilhante no Monumental de Nuñez e fez os dois gols do Internacional no empate por 2 a 2 contra o River Plate. Sonho de marcar em outra final segue vivo

"Eu não sonho com mais um gol em final de Libertadores. Eu trabalho todos os dias para isso."

A frase é de Rafael Sobis, bicampeão da Copa CONMEBOL Libertadores pelo Internacional com gols nas duas finais. Foi dita antes da estreia do clube na edição deste ano e simbolizou a vontade que o atacante estava ao disputar a competição mais uma vez. Passada a Fase de Grupos, Sobis parece não apenas muito empenhado em atingir o feito que seria indescritível, como foi fundamental para o Inter seguir sonhando. 

Nas primeiras seis partidas, Sobis marcou três gols. Um logo na estreia contra o Palestino e dois no desfecho contra o River Plate (ARG), na noite desta terça-feira. A atuação digna de um expert na Copa rendeu o prêmio de #CraqueDoJogo ao atacante de 33 anos. 

Não foi à toa. Sobis exibiu todo repertório dos grandes. A técnica apurada foi usada para controlar os movimentos do Inter, para confundir a marcação do River. Sobis parece saber os atalhos da Libertadores e os percorre como um mágico. Da cartola, tirou um chute de ilusionista para vencer o imponente goleiro Armani e empatar o jogo em 1 a 1 ainda no primeiro tempo. Depois da partida, foi perguntado sobre a curva que meteu na bola contra um goleiro tão temido e deu nova prova de sua confiança. "Eu treino para isso. Conheço a Libertadores, talvez até mais do que o goleiro", disse Sobis, falando do arqueiro atual campeão da competição. 

Sóbis não fica na conversa. Ele não foge da responsabilidade. Sofreu com a marcação dos argentinos e chegou a sofrer faltas duras, mas não se intimidou. Quando o árbitro marcou pênalti em Rodrigo Moledo, rapidamente pegou a bola e colocou na cal. Bateu com firmeza, vencendo novamente Armani. Foi o novo gol do atacante pelo Inter em Libertadores, tornando-se o vice-artilheiro do clube na história da competiçao. Só perde para Leandro Damião, com 11 gols. 

Sobis deixou o campo quando o Inter ainda vencia por 2 a 1 e aplaudido pelos torcedores colorados presentes no Monumental. Um reconhecimento merecido para quem fala e faz. O gol de Pratto no fim deixou um gosto amargo na grande atuação, mas uma coisa ficou clara: não é recomendável duvidar que o atacante pode fazer o sonho de mais um gol em final de Libertadores se tornar realidade. 

Fechar