Corinthians x Ferroviária: uma final de rivalidade e muita coisa em jogo na Libertadores Feminina

Equipes brasileiras voltam a decidir um título após duelarem pelo Campeonato Brasileiro. Ferrinha levou vantagem, mas Timão quer revanche

Esse 28 de outubro de 2019 será um novo capítulo nas histórias do Corinthians e Ferroviária. Esse título protagonizado pelo futebol paulista está marcado no roteiro da categoria, sendo a primeira vez na história da Libertadores Feminina que have´ra uma final entre times da mesma nacionalidade. O jogo será às 21h30 desta quarta (horário de Brasilia), com transmissão do DAZN.

Timão e Locomotiva irão protagonizar a segunda disputa de títulos neste ano e na história de ambos os times. Iniciaram na semifinal de Campeonato Paulista, encaminharam para a disputa de título do Campeonato Brasileiro, e por ironia do destino, ambas vão em busca do segundo título de melhor equipe das Américas.

De um lado, temos uma jogadora mãe e outra que retornou aos gramados. São histórias completamente diferentes, mas objetivos certeiros: A resiliência em tornar a categoria em uma modalidade do futuro. A lateral Tamires retornou ao futebol brasileiro neste ano depois de um longo caminho no exterior. Estar próximo a família e de fazer parte do crescimento do futebol no Brasil. A jogadora do Corinthians mostra ao filho que ele pode ser o que quiser. “Jogar futebol me torna uma heroína para meu filho. O futebol vive em mim desde sempre”. Assim como Rosana, após 1 ano fora dos gramados, teve a oportunidade de escrever história com a Ferrinha. “Estava trabalhando fora dos gramados, e quando surgiu a oportunidade da Ferroviária em participar da Libertadores, a Tati me chamou”. O convite surgiu em agosto e com apoio de suas colegas, sentiu que deveria estar nesta edição. “Parei por resiliência, precisa estar junto à minha família”. A camisa 16 da Ferrinha sofreu duas grandes perdas em sua vida quando atuava pelo Santos e precisou ter o seu tempo. Rosana perdeu seu pai e seu noivo em 6 meses. 

A Libertadores tem uma atmosfera diferente. Os jogos são mais equilibrados. A garra, a luta, a fé, a preparação, a concentração e o amor pelo futebol são distintos de qualquer outra competição. A cada jogo, a cada rodada, a cada gol, a cada drible, a cada assistência, a cada falta foi contada um trecho de um enredo incrível. Muitas marcaram gols, outras protegeram com unhas e dentes sua defesa. As mulheres dessa Libertadores deram oportunidade para meninas que sonham se tornarem jogadoras de futebol. O propósito no final de cada filme é passar uma mensagem, e com certeza nesta Libertadores é inspirar e acreditar.

Assim como na final do Brasileirão Feminino, o título poderá ser nos pênaltis. Poderá ser fácil para um, poderá ser difícil para o outro. As heroínas dessa décima primeira edição da Libertadores estão escrevendo que o futebol feminino é a modalidade do futuro.

Fechar