Com Everton, o brilho do Grêmio na CONMEBOL Libertadores estará na Copa América

Atacante de 23 anos foi convocado para defender a Seleção Brasileira na competição sul-americana. Ele é o símbolo do talento do time de Renato Portaluppi

Renato Portaluppi parece não se cansar de repetir: "O meu time joga o melhor futebol do Brasil. O Grêmio é o melhor time do Brasil". Você pode concordar ou não com Renato, mas há algo indiscutível quando se analisa o time gremista: a fortíssima representação de talento do atacante Everton, de apelido Cebolinha. Everton, agora, levará o brilho tricolor à Copa América, para a qual foi convocado nesta sexta-feira pelo técnico Tite, da Seleção Brasileira. 

Everton tem encatado gramados afora na América do Sul. Sua participação na CONMEBOL Libertadores deste ano é significativa. Três gols, dois golaços, 18 finalizações, quinto homem que mais chuta a gol na competição. Um atacante de respeito e que vira terror para as defesas com a união destruidora entre velocidade, agilidade, talento e concentração. 

Quando recebe a bola, geralmente na ponta esquerda do campo, é bom para o adversário que não haja espaço. Porque se houver... A pelota dorme em seu pé e dali ele dispara rumo às redes. Contra Rosario Central e Libertad, na fase de grupos da Libertadores, viu-se essa arte transformada em gols, golaços. O resultado são adversários para trás, incrédulos com a facilidade do gremista em fazer acontecer. Um drible para cá, uma entortada para lá. O que há de mais puro na magia do futebol brasileiro. 

Com Renato, Everton evoluiu sobremaneira e rendeu suas primeiras convocações para o esquadrão de Tite. Com os dois mestres, fala-se que ganhou consciência tática, mais percepção do jogo e poderio ofensivo ainda maior. Virou um jogador diferenciado no Brasil e uma das armas do Imortal na tentativa do tetra da Libertadores. 

Aos 23 anos, Everton encanta e orgulha. Nascido no interior do Ceará, começou nas categorias de base do Fortaleza e logo foi percebido pelos olheiros do Grêmio. Passou ainda pela base no Sul e se firmou no time titular apenas no ano passado, após temporadas de destaque como um dos mais usados por Renato. Em 2016, fez o gol da classificação para as semifinais da Copa do Brasil em cima do Palmeiras. O Grêmio foi campeão e passou a empilhar taças. Foi a primeira desse ciclo, que ainda teve Libertadores em 2017 e Recopa Sul-Americana em 2018. No Mundial de 2017, Everton voltou a marcar na semifinal, na prorrogação contra o Pachuca. Colocou o Imortal na final. Decisivo. Virou titular.

Desde então, os familiares, amigos e aqueles que gostam de futebol se deliciam com os dribles e os belos gols do atacante da Seleção Brasileira. A Copa América e a Libertadores te esperam, Cebolinha!

Fechar