Artilheiro da Libertadores, Fidel Martínez curte a filha, treina e revê seus jogos pelo Barcelona na quarentena

Atacante do Barcelona é o principal goleador da Copa, com oito gols. Equatoriano concedeu entrevista exclusiva ao CopaLibertadores.com

Lá fora há um campo de terra. Fidel Martínez olha para ele todos os dias. Observa. Deseja. Quando chega o momento, sai correndo para jogar. Tem cinco anos e não há nada que o interesse mais do que pegar a bola, colocar as chuteiras e correr até que anoiteça. Hoje esse garoto é um homem de 30 anos e agora busca gols com a camisa do Barcelona, do Equador.

Fidel acredita na lei da atração e segue a filosofia do livro O Segredo, de Rhonda Byrne. Foi assim que se tornou em jogador profissional: trabalhando duro e desejando com tanta, mas tanta força, que transformou o sonho em realidade. Assim também conseguiu chegar à seleção equatoriana. O atacante queria que sua mãe pudesse vê-lo na televisão cantando o hino de seu país.

Com 8 gols marcados, hoje é o artilheiro da CONMEBOL Libertadores e disputa pelo Grupo A a maior competição da América. Seus rivais são Flamengo, o último campeão, Independiente del Valle, o atual campeão da CONMEBOL Sul-Americana, e o Junior. Por ora, nos tempos difíceis da pandemia do COVID-19, o futebol pode esperar. “A verdade é que é muito difícil, estamos em casa e esperamos que todo mundo faça o mesmo. É importante ficar em casa porque assim podemos salvar muita gente”, alerta.

Nos últimos seis meses, sua vida mudou. Fidel atribui o sucesso no futebol com a chegada de sua filha Antonella. A paternidade transformou sua realidade e é o que o move em cada chute ao gol. A humildade e alegria são características marcantes. O jogador destaca que é importante não se deslumbrar diante do sucesso e se descreve como alegre, tranquilo e família.

Como foi sua chegada ao Barcelona do Equador depois de ficar seis meses fora de atividade?
Em dezembro de 2018, tive a oportunidade de fazer parte da equipe e foi onde tudo começou. Me coloquei à disposição dos meus companheiros, foi uma pré-temporada muito dura e o professor me disse que essa intensidade era o que me faria estar à altura. Desde o primeiro dia, meus companheiros me trataram muito bem e estou muito feliz em Guayaquil.

Além do Equador, você jogou no México (Atlas, Pumas, Tijuana, Leones Negros) e no Uruguai (Peñarol). Que diferenças você vê no futebol desses países?
No México, é muito intenso. Tem muitos jogadores e o futebol é muito de ida e volta, todo mundo ataca. Gostei muito, cheguei em 2012 e pude aproveitar. O Peñarol, como todo mundo sabe, é uma equipe muito grande com um futebol de muita garra e entrega. Gostei bastante de jogar lá, porque em seis meses aprendi muito e conheci a cultura uruguaia.

Em que posição prefere jogar?
Me sinto muito cômodo por jogar pelos lados, mas no México joguei um ano e meio de ponta de lança e fiz muito bem. Não tenho nenhum problema em jogar em várias posições, o importante é estar ali e aproveitar as oportunidades. Eu gosto muito de entrar na área, fazer gols nas chances que eu tenho, e sei que tenho que estar 100% concentrado.

Como você vê o Barcelona na CONMEBOL Libertadores?
Fizemos um grande esforço na Fase de Grupos, mas viramos a página. Depois que tudo isso que envolve o Coronavírus passar, espero que possamos estar prontos para seguir alcançando coisas importantes. E conto sempre o apoio da minha família!

Você sempre fala muito da família. Como é a sua?
São eles que movem minha vida. Minha filha chegou com muitas bençãos, gols e mudou completamente minha vida. Em janeiro de 2019 eu fiquei sabendo que seria pai, me lembro que comemorei colocando a bola na barriga e nesse ano fiz 17 gols contando todas as competições. Ela nasceu em setembro de 2019 e comemorei o gol levando o dedo à boca, despois disso chegaram mais bençãos. Tenho oito gols na Copa. Às vezes com as viagens, ou entre a Fase Preliminar e a Fase de Grupos que estivemos concentrados, é difícil, mas quanto estou perto aproveito muito. Esse contato é muito importante!

Fidel Martinez - Barcelona

Você gostou de ler o livro O Segredo? Como o conheceu?
É o meu livro favorito. Um italiano me deu de presente quando tinha 16 anos e estávamos no Cruzeiro (jogou na equipe B). Me disse que ia mudar minha vida e tinha razão. É como diz no livro: o que se pede é dado, lei da atração. É preciso buscar com trabalho e paciência, mas sempre pensando positivo, porque o que se tem na mente pode se materializar. Eu tinha em mente que seria um jogador profissional e poderia ajudar minha família. Foi acontecendo pouco a pouco, mas nunca imaginei chegar a algo tão grande!

Você fala muito de alegria e ousadia. Por quê?
Eu sempre digo: alegria pra viver e ousadia para vencer. Se você vive feliz e contente na sua casa, fora será ainda melhor. E é preciso ousar, o que gosto muito de fazer em campo. Assim acredito que tem que ser a vida para conseguir seus objetivos e sempre agradeço a Deus.

Como é sua relação com a fé?
Eu sinto que Deus sempre nos acompanha. Eu peço que nos dê sabedoria, proteção, que cuide não só da gente, mas também dos outros. Antes de entrar em campo rezo por todos.

E agora, como está a quarentena por conta do Coronavírus?
A verdade é que é muito difícil, estamos em casa e esperamos que todos façam o mesmo. É importante ficar em casa porque isso pode salvar muita gente. Por aqui, agora que temos uma garotinha, temos mais distrações e cuidamos de sair para caminhar um pouco. Eu treino em casa e minha esposa também me acompanha. No clube tentamos fazer vídeos para as redes sociais para incentivar que as pessoas não saiam de casa.

Como é sua relação com as redes sociais?
Subo fotos de família, da equipe, sou tranquilo.

Tem vontade de voltar a jogar?
Sim, fico vendo vídeos. Procuro jogadas, partidas, vejo futebol europeu e tento assistir meus jogos para melhorar sempre.

Fechar