A quarentena de Hernanes: violão, novos idiomas e o sonho de ganhar a CONMEBOL Libertadores pelo São Paulo

Em bate-papo exclusivo, ídolo do Tricolor admite que retornou ao clube com o objetivo de vencer a Copa, faz música e dá receita de prato delicioso

O isolamento social motivado pela pandemia do COVID-19 permitiu ao meia Hernanes descobrir novas habilidades. Poliglota, com bom conhecimento de idiomas (português, espanhol, inglês, italiano e chinês), o jogador do São Paulo começou a praticar mais dois durante a quarentena. Também sobrou mais tempo para leituras, uma de suas paixões, e de resgatar um instrumento musical abandonado na prateleira. Hernanes tem começado a tirar as primeiras canções, aperfeiçoando mais uma de suas técnicas. 

Em sua página no Instagram, o ídolo são-paulino tem se mantido ativo. Detalha treinos para manter a forma física e passa receitas de pratos deliciosos aos seguidores. A cozinha tem sido um de seus ambientes preferidos no período afastado dos gramados. 

Toda essa rotina o jogador detalhou em entrevista exclusiva aos canais oficiais da CONMEBOL Libertadores. Hernanes detalhou parte de seus dias sem futebol e reforçou porque é visto como um jogador diferenciado, com virtudes que vão além das quatro linhas e que lhe renderam o apelido de Profeta. Pensar está entre seus verbos favoritos. 

O meia, claro, também falou muito sobre o São Paulo. A saudade dos companheiros e da vida normal nos campos é grande. 

"O que mais faz falta no futebol é o grito do torcedor. Vem direito do peito e carregado de energia. Aquilo nos contagia e a verdade é que não sabemos quando teremos a volta do público aos estádios", contou o jogador, em tom de preocupação. 

A Libertadores também não sai da cabeça do camisa 15. Ele admitiu que vencer a competição, título que ainda não tem, foi o principal motivo para seu retorno ao clube no ano passado. Hernanes bateu na trave em 2010, quando foi eliminado na semifinal para o futuro campeão Internacional. A série terminou 2-2, mas o Colorado levou a melhor por ter marcado um gol no Morumbi, no critério de gol fora de casa. 

"Certamente a chance de ganhar uma Libertadores foi a principal razão para a minha volta. Eu tenho como um objetivo claro até por ter passado perto algumas vezes. Este ano, estávamos muito bem, tínhamos conseguido uma grande vitória contra a LDU e vivíamos a expectativa por chegar na parte final", contou. 

Confira uma resenha diferente com o Profeta tricolor, em que ele detalha toda sua filosofia e hábitos enquanto os jogos não voltam.

Fechar