A Copa da Minha Vida: D'Alessandro relembra o 'caminho eterno' para conquistar a CONMEBOL Libertadores 2010

Craque argentino do Internacional abre série contando detalhes sobre os grandes momentos da conquista da Glória Eterna pelo Colorado, bicampeão em 18 de agosto de 2010

Andrés D'Alessandro, hoje com 39 anos, talvez não imaginasse que construiria carreira tão brilhante no futebol brasileiro quando decidiu deixar a Argentina e cruzar a fronteira. Em 2008, quando acertou com o Internacional de Porto Alegre, o meia já tinha notoriedade mundo afora, mas sua trajetória ficaria em outra prateleira após se vestir de vermelho. 

O pulo maior aconteceu há 10 anos, no dia 18 de agosto de 2010 . Naquela noite no Beira-Rio, D'Ale cravou seu nome na história do Inter, do futebol sul-americano e entrou para a galeria dos grandes ao conquistar a  CONMEBOL Libertadores  pela primeira vez. Competitivo por natureza, o argentino deixou a emoção transparecer no fim do jogo, ao cair nas lágrimas logo após a vitória sobre o Chivas que sacramentou o título. 

Essa história de sucesso que cruzou a América, da Argentina ao México, é tema de abertura para "A Copa da Minha Vida", nova série dos canais oficiais da  CONMEBOL Libertadores . D'Alessandro revisita a conquista memorável dez anos depois, saboreando as doces lembranças sem esquecer do grande desafio que foi para levar a segunda Copa ao Inter, campeão também em 2006.

"A Libertadores da minha vida foi 2010. Não pode ser diferente. Um ano que a gente ganhou o bi da Libertadores aqui do clube, do Inter. Todas tem uma história diferente. Eu joguei 6 com o Inter, 5 com o River Plate e uma com o San Lorenzo, são 12 no total. E todas têm uma história diferente. Infelizmente ganhei só uma gostaria de ter ganho mais, mas vou repetir: o caminho é muito difícil, muito complicado. Mas não tenho dúvidas que a mais importante foi a que a gente ganhou. A que eu consegui levantar e tenho na minha casa", afirmou o camisa 10 do Inter. 

O Internacional teve uma campanha de superação na Libertadores de 2010. O Colorado caiu no Grupo 5 ao lado de Cerro Porteño-PAR, Emelec-EQU e Deportivo Quito-EQU. Avançou sem problemas, com três vitórias e três empates. Mas a tranquilidade ficaria por aí. No mata-mata, o bicho ficou grande. 

"Passamos por um mata-mata muito difícil. Passamos por times argentinos nas oitavas e quartas. Passamos por um clássico brasileiro contra o São Paulo", relembra D'Alessandro. 

As oitavas foram contra o Banfield-ARG e o Inter abriu a série sendo derrotado por 3-1 na Argentina. Mas D'Ale jogou muito na volta e foi fundamental para o time fazer 2-0 no Beira-Rio e avançar para encarar o então campeão Estudiantes-ARG. Nova batalha apertada, com vitória de 1-0 na ida e derrota por 2-1 em Buenos Aires. Os mesmos resultados se repetiria na semifinal contra o poderoso São Paulo, tricampeão da América na final da primeira conquista do Inter em 2006. Nas três ocasiões, o Inter avançou com o gol qualificado, fora de casa. 

A final foi contra o Chivas-MEX, clube mexicano que fez uma campanha brilhante, eliminando campeões como Vélez Sarsfleld-ARG e Flamengo. E ficará para sempre na memória de D'Alessandro. Ele lembra de ter percorrido um "caminho eterno" até o apito final.

"O jogo de Porto Alegre foi uma loucura. A gente não conseguiu o dormir. Os bastidores a gente não consegue contar o que vive antes de uma final de Libertadores porque é tudo muito diferente. É falar com a família, visita dos filhos, é falar com a família que está na Argentina, é não conseguir dormir. A hora do jogo não chega mais, demora muito, parece que é eterno esse caminho. Mas a gente conseguiu", descreveu D'Ale.

"No começo do jogo foi meio complicado, porque tomamos o gol, a gente começou perdendo, depois empatou, mas depois deu tudo certo e conquistamos o bi da Libertadores para o Internacional, que foi muito importante", completou.

2010. A Libertadores da vida de Andrés D'Alessandro, o argentino que mais jogos disputou na história do torneio.

D'Alessandro - A Copa da Minha Vida - Internacional 2010

Fechar